sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Medidas de controle de risco elétrico

Medidas de controle de risco elétrico

A expressão “medidas de controle" abrange o conjunto de atividades que permitem, em relação a um risco, a sua identificação, o entendimento de como ele se manifesta, a sua detecção, o seu monitoramento, os seus efeitos, e as ações que devem ser implementadas para evitar que acidentes decorrentes do risco ocorram ou para administra os seus efeitos quando se manifestarem.

Em relação aos riscos elétricos e adicionais, as medidas de controle começam a ser definidas na fase de projeto das instalações elétricas e terminam nos procedimentos para situações de emergência.

Prever instalações á prova de explosão em ambientes explosivos, utiliza equipamentos á prova de explosão certificados, ter profissionais treinados para a realização dos serviços de manutenção e preparados para resgates, primeiros socorros e operação de equipamentos de combate de incêndio são exemplos de medidas de controle.

A seguir serão apresentadas as medidas de controle de risco elétrico.

Proteção contra choques elétricos


O principio que fundamenta as medidas de proteção contra choques elétricos, conforme a NBR 5410:2004, pode ser resumido por:

  1. Partes vivas de instalações elétricas não devem ser acessíveis;
  2. Massas ou partes condutivas acessíveis não devem oferecer perigo, seja em condições normais, seja, em particular, em caso de alguma falha que as torne acidentalmente vivas.

No caso 1, o choque elétrico acontece quando se toca indevidamente a parte viva de um circuito de instalação de energia elétrica. Acontece somente quando somente duas ou, mas partes do corpo tocam simultaneamente duas fases ou uma fase e a massa aterrada do equipamento elétrico. Nesse caso a corrente elétrica do choque é atenuada pela:

· Resistência elétrica di corpo humano;

· Resistência do calçado;

· Resistência do contato do calçado com o solo;

· Resistência da terra no local dos pés no solo;

· Resistência do aterramento da instalação elétrica no ponto de alimentação de energia.

Neste caso devem-se prover medidas de proteção básica que visem impedir o contato com partes vivas perigosas em condições normais, como por exemplo:

· Isolação básica ou separação básica;

· Uso de barreira ou invólucro;

· Limitação de tensão.

No caso 2, o choque ocorre quando regiões neutras ficam com diferenças de potencial devido a um curto-circuito na instalação ou nos equipamentos.

Deve-se notar que nesse tipo de choque a pessoa está tocando ou pisando regiões ou elementos não energizados da instalação. Porém, no momento do curto-circuito, potencial, advindo daí o choque elétrico.

Neste caso devem-se prover medidas de proteção supletivas que visem suprir a proteção contra choques em caso de falha da proteção básica, como por exemplo:

· Eqüipotencialização e secciona mento automático da alimentação;

· Isolação suplementar;

· Separação elétrica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário